Parecer sobre a legalidade da intermitência

Colegas, à contra-informação e meias palavras respondemos com formalidade e transparência!
Temos recebido relatos impressionantes das tentativas para amedrontar a enorme luta de Tod@s. Por dia, uma média de 210 mensagens privadas, das quais mais de metade são questões relativas a coações.
Estivemos, estamos e estaremos sempre do lado da vontade de todos os colegas, na defesa da verdade, dos direitos e da justiça.
Como já referimos anteriormente, esta greve está a ser um enorme sucesso, contra tudo e contra todos! Continuemos!

Quanto à questão da “intermitência” no decorrer da greve convocada de 4 a 15 de junho, publicamos, em seguida, o parecer jurídico que vem consubstanciar o que já era esperado:

Foto de S.TO.P.

Greve não é “falta”…

Colegas, como em todas as outras greves docentes, não é da responsabilidade dos sindicatos enviarem o pré-aviso de greve para todas as escolas (isso naturalmente é da responsabilidade exclusiva do ME e/ou direções regionais).

Apesar disso, o S.TO.P. enviou para todas as escolas o seu pré-aviso, mas quem quiser pode imprimir o pré-aviso  e entregar diretamente na sua escola.

No entanto se mesmo assim as direções continuarem a ameaçar com faltas não justificadas, os colegas não podem ter medo e devem fazer greve (como já aconteceu em mais de 70 escolas por todo o país) e devem DENUNCIAR essa situação para a Inspeção da Educação ou para o S.TO.P. O próprio ME reconheceu ontem em reunião com os sindicatos que nenhum docente pode ser ameaçado com falta injustificada como podem ver aqui: https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1988983484749797&id=1915990048715808

NENHUM TRABALHADOR PODE SER INTIMIDADO seja de que forma for PARA NÃO FAZER UMA GREVE entregue atempadamente às entidades competentes (ME).

O MEDO TEM QUE MUDAR DE LADO, somos professores e juntos somos + fortes!

Greve não é “falta” é suspensão temporária do contrato de trabalho!