MANIFESTAÇÃO no dia 5 de outubro

No Dia Mundial do Professor e com todos os problemáticas que se arrastam e afetam a nossa classe, devemos dar um sinal de FORÇA e UNIÃO!

O S.TO.P. convida todos os colegas a trazer as suas reivindicações e a juntarem-se a nós em Lisboa. Como sempre, democraticamente, o uso da palavra será de todos por igual.

Os colegas que se deslocarem do Norte ou Centro poderão juntar-se a um grupo de colegas que está a organizar transporte coletivo.
Contato e inscrições: filipamp@gmail.com

A imagem pode conter: texto

Manifestação em frente à Assembleia da República

Colegas:

1.Perante um ataque sem precedentes à liberdade/democracia na Escola Pública (notas informativas de 11 junho, serviços mínimos, nota Dgest de 2 de julho, intimidações/ameaças várias, etc) era e é fundamental para o fortalecimento da luta docente uma manifestação nacional de professores;

2. Se alguém tivesse dúvidas disso, uma sondagem realizada pelo blogue comregras e blogue de ar Lindo demonstrou em poucos dias que a esmagadora maioria dos professores concordava com isso (em milhares de colegas consultados);

3. O S.TO.P. como sempre sem qualquer sectarismo, logo a 21 de junho voltou a enviar mais um email oficial a convidar todos os outros sindicatos/federações sindicais a reunir para juntarmos forças na organização dessa grande manifestação nacional (infelizmente até hoje, nenhum sindicato/federação nos respondeu);

4. Mesmo assim, os colegas legitimamente continuaram a pressionar para que o S.TO.P. dinamizasse na mesma algum protesto. Algo que ajudámos a fazer em 8 cidades dia 2 de julho (onde participaram mais de 1000 professores);

5. Tendo conhecimento de um apelo da CGTP para que todos os trabalhadores e população se juntassem a 6 de julho às 10h no parlamento contra os ataques deste governo, marcámos um protesto nacional para dia 6 de julho, pelas 10h, à frente do parlamento para tentar juntar colegas de norte a sul. No entanto, colegas de norte a sul informam-nos de grandes dificuldades de organizar transportes e o S.TO.P. ainda não dispõe de meios logísticos para resolver essa situação;

6.Nesse sentido, o S.TO.P. mantém o apelo à participação do protesto em defesa da liberdade/democracia na Escola Pública, às 10h, à frente do parlamento com a participação e intervenção do Professor Santana Castilho e do Dr. Garcia Pereira. Onde a partir das 11h30 tentaremos realizar algo que marque a posição e a presença clara dos professores presentes nessa manifestação. Face às dificuldades logísticas das diferentes regiões, fazemos um apelo especial para os professores da região de Lisboa para que estejam presentes.

Foto de S.TO.P.

8 VIGÍLIAS pelo país

Dia 2 de julho, em iniciativas simbólicas, marcadas com pouca antecedência e depois de um dia repleto de trabalho, participaram mais de 1000 professores em 8 cidades de todo o país! Mais uma vez a luta por RESPEITO e JUSTIÇA e, agora também, LIBERDADE/DEMOCRACIA na Escola Pública chegou à comunicação social (ver vídeos).

Esta sexta, a partir das 10h, na Assembleia da República iremos juntar colegas de todo o país e FAZER O QUE AINDA NÃO FOI FEITO! O professor Santana Castilho já confirmou presença e intervenção oral de apoio à nossa presente luta.

Só no Porto e Braga compareceram cerca de 700 colegas e estamos cada vez mais perto de conseguir uma cobertura condigna dos meios de comunicação.

Não podemos desistir e estamos prontos para continuar a LUTAR simplesmente PELO QUE É NOSSO!

https://www.jn.pt/nacional/interior/sindicato-que-desencadeou-greve-as-avaliacoes-acusa-ministerio-de-discriminacao-9558396.html

Foto de S.TO.P.Foto de S.TO.P.Foto de S.TO.P.

 

6 de junho às 10h (Parlamento)

Colegas, como sabem a classe docente está a ser alvo de um ataque ignóbil. Não só nos tentam roubar cerca de 25% de todo o tempo da nossa carreira, como nos tentar enganar/mentir, chantagear e agora chegam mesmo a tentar atropelar o nosso legítimo direito à greve com o serviços mínimos. Isto sem falar nos milhares de colegas contratados e das AEC que nem sequer carreira têm e que todos os anos estão sujeitos a uma precariedade que nos devia envergonhar a todos como país (por isso também uma das principais reivindicações do pré-aviso de greve do S.TO.P. é combater a precariedade docente).

Perante a dimensão deste ataque o S.TO.P., como é do conhecimento público, convidou a 21 de junho todos os sindicatos/federações sindicais docentes para reunir com urgência para equacionarmos a realização de uma grande manifestação nacional. Infelizmente até hoje nenhum sindicato/federação respondeu a esse nosso convite/email oficial…

Apesar disso, muitos colegas continuam a considerar que, para reforçar a luta nas escolas, era fundamental ter um protesto nacional para tentar quebrar o isolamento das lutas nas escolas e para tentar trazer mais destaque mediático para a nossa luta.

Reafirmamos o convite a todos os sindicatos/federações sindicais (docentes e não docentes), a toda a população em geral (independentemente da profissão) para que se solidarize e participe neste protesto nacional em defesa da liberdade/democracia na Escola Pública!

SE FICARMOS NEUTROS PERANTE UMA INJUSTIÇA, ESCOLHEMOS O LADO DO OPRESSOR!

Sexta, 6 de julho, às 10h à frente do parlamento (a chamada casa da democracia). O professor Santana Castilho já confirmou presença e irá intervir oralmente ao nosso lado. JUNTOS SOMOS + FORTES!

Foto de S.TO.P.

7 VIGÍLIAS (2 de julho)!

ATENÇÃO colegas, temos NOVAS CIDADES!

Todos os dias aderem mais colegas e já são 8 cidades contra este ataque ignóbil à liberdade/democracia na Escola Pública!

Simbolicamente, dia 2 de julho, para além de renovar a solicitação de negociação com o ME, neste primeiro dia dos chamados “serviços mínimos” iremos entregar uma coroa de flores e/ou realizar outros rituais fúnebres (idealmente vestidos de preto) perante a tentativa de assassinato da liberdade/democracia na Escola Pública:

– LISBOA, às 12h30, à frente do ME (Avenida 24 julho esquina com a Av. Infante Santo);

– LEIRIA, às 17h, à frente da Câmara Municipal;

– GUARDA, às 18h, à frente da Câmara Municipal;

– FARO, às 19h, à frente da DREALG;

– VISEU às 19h, à frente da Câmara Municipal;

– COIMBRA, às 20h, à frente da DREC;

– PORTO, às 21h, vigília à frente da DGEST;

– BRAGA, às 21h, à frente da Casa do Professor (na Avenida Central).

JUNTOS SOMOS + FORTES!

Foto de S.TO.P.

Vigílias a 2 de junho

Colegas, perante a grande demonstração de força da nossa classe docente na presente greve – exigindo RESPEITO e JUSTIÇA para todos os docentes – o ME tenta agora questionar o nosso elementar direito à greve!

Ou seja, o ME/governo além de demonstrar um profundo desrespeito por todos os professores (com o seu roubo, mentiras, chantagens, etc…), agora pretende questionar um dos mais elementares direitos cívicos: O DIREITO À GREVE! E isso é um grave atentado, não só aos professores, mas a toda uma sociedade que se diz democrática e livre!

SE FICARMOS NEUTROS PERANTE UMA INJUSTIÇA, ESCOLHEMOS O LADO DO OPRESSOR!

Nesse sentido, o S.TO.P. faz um apelo público a TODA A SOCIEDADE (independentemente da profissão), a todo o movimento sindical (docente e não docente), comissões de trabalhadores, associações de estudantes, associações profissionais, movimentos cívicos (etc) que, perante este grave atentado aos direitos fundamentais de quem trabalha, NÃO FIQUEM NEUTROS e participem nesta iniciativa nacional de protesto, dia 7 de julho, às 15h à frente da chamada casa da democracia (parlamento).

HOJE ATACAM OS DIREITOS CÍVICOS DOS PROFESSORES (se nada for feito à altura) AMANHÃ PODERÃO ATACAR OUTROS SETORES SOCIAIS.


Simbolicamente, dia 2 de julho, para além de renovar a solicitação de negociação com o ME, neste primeiro dia dos chamados “serviços mínimos” iremos entregar uma coroa de flores e/ou realizar outros rituais fúnebres (vestidos de preto) perante a tentativa de assassinato da liberdade/democracia na Escola Pública:

– LISBOA às 12h30, à frente do ME (Avenida 24 julho, esquina Infante Santo);

– COIMBRA, às 20h, à frente da DREC;

– PORTO, às 21h, vigília à frente da DGEST.

Se houver mais colegas para ajudar a organizar algo semelhante à frente de outras direções regionais (em Portugal continental e ilhas) que nos contactem por mensagem privada que ajudaremos a divulgar/organizar.

JUNTOS SOMOS + FORTES!

5 VIGÍLIAS dia 2 de julho

Colegas, simbolicamente, dia 2 de julho, para além de renovar a solicitação de negociação com o ME, neste primeiro dia dos chamados “serviços mínimos” iremos entregar uma coroa de flores e/ou realizar outros rituais fúnebres (idealmente vestidos de preto) perante a tentativa de assassinato da liberdade/democracia na Escola Pública:

– LISBOA às 12h30, à frente do ME (Avenida 24 julho esquina com a Av. Infante Santo);

– VISEU às 19h, à frente da Câmara Municipal de Viseu;

– COIMBRA, às 20h, à frente da DREC;

– PORTO, às 21h, vigília à frente da DGEST;

– BRAGA, às 21h, à frente da Casa do Professor (na Avenida Central).

JUNTOS SOMOS + FORTES!

Foto de S.TO.P.

É PRECISO MUDAR O SINDICALISMO DOCENTE!

Colega, vivemos momentos confusos em que o único critério para saber quem fala verdade é avaliarmos não o que se diz mas o que se faz.

Todos os sindicatos dizem-se independentes mas então porque o S.TO.P. é o único sindicato a criticar a declaração de compromisso assinada entre todos os sindicatos tradicionais e o ME/governo (nov. 2017) precisamente quando a luta estava a crescer (sem antes auscultar a classe)?

Todos os sindicatos dizem-se não sectários mas então porque o S.TO.P. é o único sindicato a apoiar a Iniciativa Legislativa Cidadã (ILC)?

Todos os sindicatos dizem-se democráticos mas então porque o S.TO.P. é o único sindicato a dinamizar reuniões por todo o país para permitir que os colegas das AEC pudessem discutir e decidir democraticamente as suas formas de luta (após um ataque ignóbil por parte do ME)?

Por estas e outras situações semelhantes no passado é que mais de 230 colegas de todo o país subscreveram um manifesto para a formação de um novo sindicato docente. Para fazermos cada vez mais e melhor faltas tu do nosso lado, sindicaliza-te: JUNTOS SOMOS + FORTES!

Só com um sindicalismo realmente diferente é que poderemos, por exemplo, recuperar todo o tempo de serviço, a gestão democrática e lutar a sério contra a precariedade e desemprego docente (AEC e contratados).
S.TO.P. Sindicato de tod@s @s professor@s.

Foto de S.TO.P.

Manifestação nacional em Lisboa

O novo sindicato de tod@s @s professor@s S.TO.P. na manifestação nacional: “Quando o Brandão não tem juízo e rouba até o tempo de serviço, os professores é que pagam, os professores é que pagam. Não vamos pagar, não vamos pagar, VAMOS É LUTAR!”. A pedido de muitos colegas que se arrependeram de não terem ido na coluna do S.TO.P. na manifestação de 19 de maio 😉 “Aí não à exploração, à exploração, à exploração…”

A lamentar a atitude de alguns dirigentes que teimam em não a dar palavra aos outros colegas, como por exemplo, os colegas das AEC.

 

O novo sindicato de tod@s @s professor@s S.TO.P. na manifestação nacional: "Quando o Brandão não tem juízo e rouba até o tempo de serviço, os professores é que pagam, os professores é que pagam. Não vamos pagar, não vamos pagar, VAMOS É LUTAR!".

Pubblicato da S.TO.P su Sabato 19 maggio 2018

A pedido de muitos colegas que se arrependeram de não terem ido na coluna do S.TO.P. na manifestação de 19 de maio 😉 "Aí não à exploração, à exploração, à exploração."

Pubblicato da S.TO.P su Domenica 20 maggio 2018