BOLEIAS para Coimbra – SÁBADO sessão com o Prof. Santa Castilho

O Professor Santana Castilho estará presente e está totalmente solidário com a nossa luta histórica, uma luta de professores para professores que estão nas escolas a dar aulas todos os dias.

https://www.facebook.com/…/a.19370137366…/2027707374210741/…

Todos que defendem a Escola Pública são bem-vindos e TODOS terão direito à palavra (como em todas as iniciativas do S.TO.P.).

Traz as tuas ideias, as tuas propostas e as tuas críticas construtivas para JUNTOS sairmos mais fortes para as batalhas do presente e do futuro!

JUNTOS SOMOS + FORTES!

SÁBADO – Debate dinamizado pelo Prof. Santana Castilho

Colegas, APAREÇAM este sábado, 21 de julho, às 18h, em Coimbra: VAMOS FAZER O QUE AINDA NÃO FEITO?

O Professor Santana Castilho estará presente e está totalmente solidário com a nossa luta histórica, uma luta de professores para professores que estão nas escolas a dar aulas todos os dias.

TODOS que defendem a Escola Pública são bem-vindos e TODOS terão direito à palavra (como em todas as iniciativas do S.TO.P.).

Traz as tuas ideias, as tuas propostas e as tuas críticas construtivas para JUNTOS sairmos mais fortes para as batalhas do presente e do futuro!

Seria ESPECIALMENTE importante que todas as escolas resistentes conseguissem assegurar a presença de um representante.

 

Grupo para PARTILHA DE BOLEIAS: https://www.facebook.com/events/423510441499466/

JUNTOS SOMOS + FORTES!

Foto de S.TO.P.

Opinião de Santana Castilho

“Hoje, melhor, ainda ontem, ficou confirmado o que estava escrito nas estrelas. A plataforma sindical ajoelhou. E como a minha memória não prescreveu, é a terceira vez que ajoelha, desprezando a generosidade dos professores e permitindo que os seus representados continuem a ser calcados.

Entendamo-nos: os sindicatos existem para defender os interesses dos trabalhadores, sem pagar tributos a interesses partidários, muito menos a jogos palacianos que eternizam discursos ocos de resultados.

Comissão técnica para calcular os custos? Então o Governo não os aventou (é certo que aldrabando-os miseravelmente) repetidas vezes? Não os corrigiu recente e publicamente?
A FENPROF não os divulgou (em conferência de imprensa, pela voz de um dirigente seu), depois de os ter feito?
E que têm que ver os custos com a substância ética do cerne do contencioso?

Leiam o comunicado de imprensa, ridículo, do Governo, depois da reunião que decidiu a comissão técnica para … calcular os custos, onde se diz que … “os cálculos disponíveis indicam que não é possível a contagem integral do tempo”.

Oiçam a patética alocução de Mário Nogueira, falando aos professores reunidos na 24 de Julho.
Que palhaçada é esta, depois de tanta dádiva e sacrifícios?

Tirem então as vossas conclusões. A minha, expressou-a bem Almada Negreiros:
“Uma resma de charlatães e de vendidos, que só podem parir abaixo de zero!

Professor Santana Castilho (a 12 de julho de 2018).

Artigo completo aqui: https://www.facebook.com/notes/santana-castilho/um-flop-tão-grande-como-as-ondas-do-mar/1936659139717721/

A palavra para TODOS

Colegas, depois de termos juntado forças com outros trabalhadores (será que ainda vão dizer que a luta dos professores é sempre corporativa?), depois de termos conseguido passar na RTP (com as nossas justas reivindicações), docentes juntaram-se para ouvir o Professor Santana Castilho, o Dr. Garcia Pereira e a TODOS que quiseram falar.

Assim valeu e vale a pena lutar pelo que acreditamos! E vamos continuar: TODOS dia 11 de julho, às 14h30 à frente do ME (Av.24 de julho esquina com Av. Infante Santo) e a GREVE CONTINUA até 31 de julho até que nos DEVOLVAM O QUE É NOSSO!

Foto de S.TO.P.

6 de julho a defesa da Democracia em Lisboa

Colegas, A GREVE CONTINUA e não podem ser decretados mais quaisquer tipo de serviços mínimos até 31 de julho (o pré-aviso do S.TO.P. já está em vigor e é de 2 a 31 de julho e qualquer serviço mínimo tem de ser decretado antes do início do período da greve). Os serviços mínimos terminam hoje (5 de julho).

VAMOS FAZER O QUE AINDA NÃO FOI FEITO?

6 de julho, às 10h, à frente do parlamento. Além do Professor Santana Castilho, TODOS os professores terão direito à voz.

JUNTOS SOMOS + FORTES!

Foto de S.TO.P.

Manifestação em frente à Assembleia da República

Colegas:

1.Perante um ataque sem precedentes à liberdade/democracia na Escola Pública (notas informativas de 11 junho, serviços mínimos, nota Dgest de 2 de julho, intimidações/ameaças várias, etc) era e é fundamental para o fortalecimento da luta docente uma manifestação nacional de professores;

2. Se alguém tivesse dúvidas disso, uma sondagem realizada pelo blogue comregras e blogue de ar Lindo demonstrou em poucos dias que a esmagadora maioria dos professores concordava com isso (em milhares de colegas consultados);

3. O S.TO.P. como sempre sem qualquer sectarismo, logo a 21 de junho voltou a enviar mais um email oficial a convidar todos os outros sindicatos/federações sindicais a reunir para juntarmos forças na organização dessa grande manifestação nacional (infelizmente até hoje, nenhum sindicato/federação nos respondeu);

4. Mesmo assim, os colegas legitimamente continuaram a pressionar para que o S.TO.P. dinamizasse na mesma algum protesto. Algo que ajudámos a fazer em 8 cidades dia 2 de julho (onde participaram mais de 1000 professores);

5. Tendo conhecimento de um apelo da CGTP para que todos os trabalhadores e população se juntassem a 6 de julho às 10h no parlamento contra os ataques deste governo, marcámos um protesto nacional para dia 6 de julho, pelas 10h, à frente do parlamento para tentar juntar colegas de norte a sul. No entanto, colegas de norte a sul informam-nos de grandes dificuldades de organizar transportes e o S.TO.P. ainda não dispõe de meios logísticos para resolver essa situação;

6.Nesse sentido, o S.TO.P. mantém o apelo à participação do protesto em defesa da liberdade/democracia na Escola Pública, às 10h, à frente do parlamento com a participação e intervenção do Professor Santana Castilho e do Dr. Garcia Pereira. Onde a partir das 11h30 tentaremos realizar algo que marque a posição e a presença clara dos professores presentes nessa manifestação. Face às dificuldades logísticas das diferentes regiões, fazemos um apelo especial para os professores da região de Lisboa para que estejam presentes.

Foto de S.TO.P.

Professor Santana Castilho escreve sobre o S.TO.P.

Professor Santana Castilho escreve sobre o S.TO.P. e, também, sobre a ILC:

“Deixo vénia ao STOP e à sua greve rebelde, que fugiu ao controlo dos sindicatos do sistema. Toco a reunir as assinaturas que faltam para obrigar o Parlamento a votar a Iniciativa Legislativa de Cidadãos para Recuperar todo o Tempo de Serviço Docente. Juntos, talvez tenham posto fim à luta mansa dos professores.”

https://www.facebook.com/notes/santana-castilho/mude-de-oráculos-dr-antónio-costa/1891267217590247/