“1 em cada 2 jovens em idade escolar está em sofrimento psicológico”.

0
267

Ontem, na reportagem transmitida pela SIC, reconheceu-se que em Portugal “1 em cada 2 jovens em idade escolar está em sofrimento psicológico”.
O S.TO.P. há muito que exige do Ministério da Educação (ME) a contratação de mais psicólogos escolares e que deverão ser valorizados e respeitados.

Infelizmente os últimos 2 anos apenas reforçaram essa necessidade urgente de termos mais psicólogos nas escolas para melhorar o apoio às nossas crianças/jovens.

Neste momento nas escolas em Portugal, além do já referido elevado número de alunos em sofrimento psicológico (nomeadamente após 2 anos de pandemia) também recentemente recebemos cerca de 5 000 alunos ucranianos que legitimamente fogem da guerra com todo o profundo transtorno psicológico e afetivo associado (muitos destes alunos também necessitarão de diagnóstico e apoio psicológico).

Até quando continuaremos a ter pouquíssimos Técnicos Superiores de Educação (psicólogos, terapeutas, mediadores, etc.) para necessidades cada vez maiores e urgentes?

Estes Profissionais da Educação além de profundamente sobrecarregados continuam a não ser respeitados e valorizados. Por exemplo, há colegas que entraram para o quadro (no contexto do PREVPAP) e que dessa forma, paradoxalmente perderam cerca de 30% do seu vencimento (algo incompreensível e inaceitável). Outro exemplo de desrespeito por estes Profissionais da Educação é a extrema dificuldade em conseguirem mobilidade para mais perto da sua residência familiar.

Como é possível assim estes profissionais diagnosticarem e/ou darem o apoio necessário a tantos alunos em sofrimento psicológico?

Quando o ME, que tanto apregoa o “interesse supremo dos alunos”, irá fazer efetivamente algo para melhorar a saúde mental nas Escolas?

EXIGIMOS RESPEITO E JUSTIÇA também para TODOS os Técnicos Superiores de Educação!

O S.TO.P. voltou a pedir uma ação urgente do governo para a resolução destas grandes injustiças e voltámos a pedir uma reunião urgente com o ME sobre este tema.

Continuaremos disponíveis para apoiar e dinamizar as ações que também estes Profissionais decidirem democraticamente: JUNTOS SOMOS + FORTES!