A suposta falta injustificada AE Mães d´Água

0
494

À Direcção do Agrupamento de Escolas Mães d´Água

Em relação à divulgação de uma situação pontual nessa escola, sobre a possibilidade de não justificação de falta a professor que exerceu direito de greve à reunião de avaliação no dia 6 de Junho de 2018, vimos por este meio apresentar desculpas pela confusão gerada e esclarecer este mal entendido.

1) O S.TO.P. teve conhecimento que foi comunicado a um professor dessa escola, no dia 6 de Junho, que caso faltasse a reunião de avaliação sem que a greve fosse legal, haveria sanção com falta. A escola disse desconhecer um pré aviso de greve legal.

2) Tal informação da parte da direcção da escola resultaria de um contacto telefónico entre a direcção da escola e o ME na qual o funcionário do ME teria afirmado desconhecer qualquer pré-aviso de greve para dia 6 de Junho, data em que se passaram os factos.

3) O relato deste facto ocorreu num quadro de muita confusão a nível nacional dado existir uma forte campanha contra a greve convocada pelo S.TO.P. e que estava a ter entraves em diversas escolas, de norte a sul do país.

4) O S.TO.P. teve a posterior informação que não se concretizou qualquer NÃO JUSTIFICAÇÃO DE FALTA a professores que não participaram em reuniões de avaliação, neste período de greve, na escola que V. Exas. dirigem DEVIDO À LEGALIDADE DESTA GREVE ÀS REUNIÕES DE AVALIAÇÃO ENTRE 4 A 15 DE JUNHO.

Assim,

O S.TO.P. esclarece que não teve a intenção de prejudicar o bom nome de qualquer membro da Direcção dessa Escola e que a divulgação desse episódio que se registou em consequência de uma deficiente comunicação entre o ME e a Escola, em nada responsabiliza a Direcção da Escola.

Cumprimentos,
S.TO.P. Sindicato de tod@s @s professor@s

Foto de S.TO.P.