Altera-se o calendário escolar e as REUNIÕES SINDICAIS?

0
406
Continuamos a receber queixas de Profissionais da Educação a serem convocados para reuniões PRESENCIAIS. Relembramos que, apesar dos benefícios da vacinação para a saúde pública, não é responsável “facilitar”, tendo em consideração a evolução da pandemia nos últimos tempos e as novas estirpes do Vírus que estão a alertar a comunidade científica.
 
MAIS UMA INCOERÊNCIA DO ME?
É no mínimo pouco coerente que, o mesmo ME que altera o calendário escolar para todo o país (público e privado) invocando precisamente razões de saúde pública, depois não seja consequente, permitindo que sejam as direções escolares a decidir se as reuniões, por exemplo de avaliação do 1.º período, serão presenciais ou online. Ou seja, poderemos ter a situação surreal de escolas com reuniões presenciais, ao mesmo tempo que outras escolas ao lado com o mesmo tipo de reuniões, online. E como sabemos nessas reuniões participam muitos profissionais de educação (docente e não docentes) e em particular na véspera de encontros familiares do natal (há reuniões de avaliação até dia 23 de dezembro).
 
NÃO DESISTIMOS DE LUTAR PELA SAÚDE PÚBLICA
Como é público, o S.TO.P. foi o sindicato que ao DENUNCIAR conseguiu contribuir de forma decisiva para a mudança no último ano letivo de muitas reuniões presenciais para online.
Os colegas que, ao serem convocados para reuniões presenciais, não se sintam seguros, enviem-nos as provas dessas convocatórias numa mensagem com assunto “Reunião presencial em pandemia” para: S.TO.P.SINDICATO@GMAIL.COM
 
Garantimos anonimato e tentaremos mais uma vez denunciar essas situações nos media e alertar as entidades competentes.
 
JUNTOS SOMOS + FORTES!
 
A partilhar.
 
NOTA IMPORTANTE: Apesar do enorme impacto que o direito de resposta do S.TO.P. dirigido à RTP teve (relativamente às recentes calúnias contra professores), nenhum tipo de correção ocorreu no programa de 26 novembro “O último apaga a luz”. Nos próximos dias faremos uma publicação com novos desenvolvimentos, incluindo a nossa proposta para continuarmos a defender a verdade e a imagem docente.