Em defesa de quem trabalha nas escolas voltamos a JUNTAR FORÇAS COM OUTROS SINDICATOS

0
146

Como é público, o S.TO.P. foi dos primeiros sindicatos a denunciar a injustiça e o perigo da intenção do ME em permitir às escolas contratar/selecionar os seus professores (contratados e do quadro) com base em “perfis”. Isto se avançar é muito grave e os professores (e os seus sindicatos) têm aqui mais um forte motivo para se unirem.

Desde o início do S.TO.P. em 2018 que temos primado pelo não sectarismo e já convidámos dezenas de vezes todos os outros sindicatos/federações docentes para juntar forças sobre diferentes temáticas que afetam a classe (pela contagem integral do tempo de serviço, contra a precariedade, contra uma avaliação com quotas e as vagas para progressão aos 5.º e 7.º escalões, pela gestão democrática nas Escolas, reinscrição na CGA, por uma aposentação digna e justa, contra os atrasos intencionais do ME na cabimentação por mudança de escalão, etc). Infelizmente ainda não tivemos qualquer resposta positiva de nenhum sindicato.

Apesar de não termos sido convidados a juntar forças, tivemos conhecimento que a FENPROF está a dinamizar o seguinte abaixo-assinado: “Não à contratação direta por escolas ou outras entidades locais. Contratação e ingresso ou transferência nos quadros devem respeitar a graduação profissional dos candidatos”.

Naturalmente concordamos com o defendido por este abaixo-assinado e somos consequentes. Uma defesa efetiva da unidade na classe faz-se com ações concretas e o S.TO.P., mais uma vez, demonstra que não tem problemas em juntar forças com iniciativas que consideramos positivas independentemente de quem as convoca (como já demonstrámos inúmeras vezes no passado).

Por isso convidamos todos os colegas a assinar: https://dados.fenprof.pt/622/newtest/Y

Acreditamos que se mais sindicatos/federações na área da Educação tivessem esta postura, a situação de quem trabalha nas escolas hoje seria muito melhor. JUNTOS SOMOS + FORTES!

 

NOTA IMPORTANTE: A história demonstra que dificilmente o ME irá recuar nesta sua intenção apenas com abaixo-assinados. O abaixo-assinado é importante sobretudo se servir para potenciar a unidade na classe docente (e dos seus sindicatos) e avançarmos para lutas fortes (decididas democraticamente por quem trabalha nas escolas). NÃO É TEMPO DE DIVISIONISMO e como sempre o S.TO.P. está disponível para juntar forças com TODOS em defesa de quem trabalha nas escolas. Há mais sindicatos na Educação com a mesma atitude?