Os preços dos combustíveis disparam e os professores continuam sem subsídio de transporte?!

    0
    149
    As sucessivas subidas vertiginosas dos preços dos combustíveis agravam ainda mais a injustiça, particularmente, dos professores deslocados sem qualquer subsídios de transporte/alojamento.
    Esta situação, a somar aos baixos salários e perda de poder de compra, irá dificultar ainda mais a possibilidade dos Profissionais da Educação aceitarem horários longe da sua residência, o que prejudicará cada vez mais milhares de crianças/jovens que já têm estado sem professor a uma ou mais disciplina ou com “professores” sem formação pedagógica.
    Se nada for feito, tudo isso implicará que cada vez mais mais cidadãos sejam privados do seu direito constitucional (artigo 74.º) à igualdade de oportunidades de acesso e êxito escolar.
     
    Para o S.TO.P., além de insistentemente ter levado esta questão ao Ministério da Educação (ME) e ao Parlamento (voltando a fazê-lo a semana passada), não se trata de uma abordagem recente.
    Além de várias DENÚNCIAS, temos sido o sindicato que mais repetidamente tem colocado essa questão em sucessivas greves (por exemplo em 2019, 2020 e 2021).
    Para conseguirmos exigir de forma mais consequente que o governo baixe significativamente o imposto sobre os combustíveis (que influenciam muito o custo de vida) e a grande especulação que está a ocorrer, é fundamental juntar forças entre vários sectores da sociedade (Educação, Saúde, Transportes, etc).
     
    O S.TO.P. – mais uma vez sem sectarismo – já enviou um convite para as centrais sindicais e para sindicatos/federações docentes, no sentido de JUNTAR forças para exigir do governo medidas concretas, de forma a minorar significativamente este aumento de preços com consequências na qualidade de vida de toda a comunidade escolar.
    Todos os Profissionais da Educação que estejam dispostos a dinamizar iniciativas contra este aumento de preços de combustível, solicitamos que nos contactem via S.TO.P.SINDICATO@GMAIL.COM, indicando o seu nome e o local de trabalho. Se houver um número significativo de colegas dispostos a lutar, por esta ou outras questões, o S.TO.P., como sempre, estará a seu lado: JUNTOS SOMOS + FORTES!