S.TO.P. FOI À ESCOLA DA PROFESSORA BRUTALMENTE AGREDIDA

0
143
Uma delegação do S.TO.P. dirigiu-se esta manhã à escola onde esta semana uma professora foi brutalmente agredida por vários adultos (Centro Escolar de Vila Verde).
Fomos expressar a nossa total solidariedade à professora agredida e também a todos os outros Profissionais da Educação (pessoal docente e não docente) que trabalham nesta escola. Disponibilizámos nomeadamente o apoio necessário e possível – incluindo aconselhamento/apoio jurídico. Também disponibilizámos todo o apoio quando (e se) quiserem concertar outro tipo de ações em defesa da sua segurança.
A visita acontece na sequência da queixa que apresentamos no DIAP Coimbra e de outras diligências junto do Ministério da Educação.
 
Só após vários dias (e após interpelação direta do S.TO.P. a este) é que o Ministro João Costa fez uma nota de imprensa em solidariedade com a colega agredida. Nessa nota o Ministro refere também que
” Todos os cidadãos, todas as famílias e comunidades, devem dar o exemplo de respeito pelos professores, reconhecendo-lhes o seu papel inestimável e a sua autoridade”.
No entanto, se o Ministro desse o exemplo e respeitasse os professores nunca (apenas alguns exemplos):
– mudaria, de forma totalmente insensível, regras aos professores muito doentes ou que acompanham familiares muito doentes – Mobilidade por Doença (MPD). Infelizmente esta semana voltou a morrer mais uma professora a quem lhe foi negado a MPD;
– mudaria regras de concurso a “meio do jogo” (exemplo RR32 em abril deste ano ou nas últimas reservas de recrutamento do atual ano letivo);
– continuaria impávido e sereno sem resolver a vergonhosa total falta de apoio de transporte/alojamento aos professores deslocados;
– manteria uma gestão escolar não democrática que coloca toda a autoridade na figura unipessoal do diretor (e não nos professores);
– manteria uma avaliação totalmente injusta com quotas;
– roubaria tempo de serviço efetivamente trabalhado por milhares de professores.
 
Não bastam afirmações de solidariedade ocas e distantes (dos gabinetes em Lisboa) quando diariamente demasiados Profissionais da Educação são sujeitos a condições de trabalho cada vez piores incluindo excesso de burocracia e até agressões físicas e/ou ameaças. Mais uma vez, convidamos o Ministro a sair dos gabinetes de Lisboa ou de Escolas de ambiente “controlado” para as escolas do país real, em particular as que apresentam graves problemas de segurança ou com instalações degradadas e com desconforto térmico que questionam os direitos dos seus Profissionais da Educação e de muitos alunos.
 
PODIA TER SIDO AGREDIDO QUALQUER UM DE NÓS, UM POR TODOS E TODOS POR UM!
Só neste ano letivo, já contabilizámos (em média) cerca de 1 agressão por semana mas infelizmente caracterizamos que devem existir muitos casos em que os Profissionais da Educação não apresentam queixa. Apelamos a que todos os colegas (pessoal docente e não docente) agredidos e/ou ameaçados que apresentem queixa ou se precisarem de apoio que nos contactem: S.TO.P.SINDICATO@GMAIL.COM
 
Colegas, não estão sozinhos, podem contar connosco. Também contra a violência: JUNTOS SEREMOS + FORTES!